Seis passos simples para deixar seus dados abertos

Tradução do post de Leigh Dodds

Você tem um conjunto de dados úteis e está pronto para abri-los para que outros façam uso deles, mas não sabe por onde começar? Organizações como Arup e Thomson Reuters descobriram enormes benefícios em abrir seus dados, mas isso pode ser uma tarefa assustadora. Leigh Dodds, do ODI, dividiu o processo em seis etapas fáceis.

1. Analise os dados
Antes de ir diretamente para a publicação dos dados, é preciso pensar primeiro em alguns itens. Tire um tempo para analisar quais dados você vai divulgar, seu conteúdo e qual o motivo para abri-los em primeiro lugar.

Considere qual licença que você colocará sobre os dados para outros usarem. Existem várias opções, dependendo de como você quer que os outros usem os dados, consulte a nossa orientação aqui (em inglês).

Aqui estão algumas outras coisas importantes a considerar nesta fase:

  • Onde os dados serão publicados?
  • Vou precisar de alguma documentação para acompanhar os dados?
  • Qual nível de apoio é necessário?
  • Com que freqüência eu vou liberar os dados?

2. Prepare-se

Seus dados só são realmente úteis para os outros se forem bem estruturados e tiverem metadados claros (ou uma descrição de dados) para dar contexto e explicar do que se tratam e de onde vêm.

Comece sua preparação com uma revisão técnica usando dados de amostra e identifique formatos adequados para a liberação e o nível de detalhe e metadados necessários. Considere também se vai ser mais útil para o usuário como uma API ou um download. Os dados podem ser mais útil quando ligado a outros conjuntos de dados, então fique de olho nas oportunidades.

Considere as suas capacidades na sua empresa/organização e avalie se precisa de algum treinamento a fim de liberar os dados, seja técnico ou de certificação. Alguns cursos do ODI podem ajudar nisso.

Finalmente, pense sobre quais metadados você irá adicionar aos seus dados para descrever o que são ou como usá-los.

3. Teste seus dados

Antes de liberar os seus dados, você pode fazer uma prévia com alguns dos seus potenciais usuários para obter algum feedback detalhado. Isso não é necessariamente obrigatório para conjuntos de dados menores, mas para versões maiores esse teste pode ser realmente útil.

Não se esqueça de obter um Certificado de Dados Abertos para verificar se seus dados estão sendo publicados corretamente.

4. Divulgue seus dados

Agora, a parte emocionante: liberando os seus dados, os metadados e a documentação para ir com ele. O importante é divulgar os seus dados onde os usuários estarão. Caso contrário, qual é o propósito? Onde você deve liberá-lo depende de quem você é, mas, em geral, você deve publicá-lo em seu próprio site, garantindo também que estejam em portais relevantes. Alguns setores têm seus próprios portais – em ciência a norma é publicar em repositório institucional ou um repositório de dados científicos.

Basicamente, faça a sua pesquisa sobre como a sua comunidade compartilha dados e verifique se eles estão localizados em um lugar que você tenha controle ou onde você esteja confiante de que os dados podem ser consistentemente disponíveis. Ao aplicar o Certificado de Dados Abertos, serão pedidos provas de que o conjunto de dados está sendo listado em um ou mais portais para garantir que ele é acessível.

5. Consiga engajamento 

É fácil relaxar depois de gastar tanto tempo e de tanto esforço na preparação e divulgação de seu conjunto de dados, mas certifique-se de que esteja seguindo s atividades de acompanhamento para que as pessoas saibam que os dados existem. Também não deixe de responder às perguntas que os usuários possam ter. Você pode engajar as pessoas de várias formas (dependendo do seu público-alvo), por exemplo através de blogs ou redes sociais. Incentive os usuários a dizer como estão usando os dados, para que possam promover histórias de sucesso em torno deles também.

6. Reflita e melhore

Agora que o seu conjunto de dados está disponível para o mundo, levará algum tempo para refletir sobre isso. Ouça o feedback do público e decida que mudanças você poderia fazer ou o que você faria diferente da próxima vez. Se você quiser medir a sua melhoria, considere fazer uma avaliação de maturidade usando a ferramenta do ODI Open Data Pathway.

Posted in ODIHQ News and tagged .